Contaminação

Os poluentes tóxicos não conhecem fronteiras. A poluição causada no Brasil e em outros países pelas indústrias cruzam todo o planeta e chega a contaminar até mesmo os animais no Pólo Norte e na Antártida.

Poluentes tóxicos, persistentes e bioacumulativos são encontrados atualmente em todo o planeta, desde países desenvolvidos - onde são produzidas em grande escala - até países em desenvolvimento, para onde o lixo tóxico é freqüentemente exportado e onde multinacionais abrem novas fábricas fugindo das fortes medidas de controle das nações industrializadas.

Muitas destas substâncias são cancerígenas, causam problemas de reprodução ou redução e até supressão de imunidade biológica em muitas espécies, incluindo a humana.

As indústrias que pretendem se estabelecer em Mato Grosso do Sul devem relatar e fornecer informações essenciais sobre seus produtos e processos industriais. Explicar claramente para população os riscos e benefícios econômicos, sociais e ambientais que os empreendimentos trarão para o município.

A alternativa é questionar se há necessidade de produzir esses produtos, quais as tecnologias que serão utilizadas e exigir a implantação de métodos e materiais de produção limpos e seguros.

Empreendimentos de riscos
O governo do estado de Mato Grosso do Sul está negociando a implantação de três empreendimentos que representam risco de contaminação para o Pantanal. Um pólo gás-químico, um pólo mínero-siderúrgico, que há muito tempo vem sendo esperado pela população de Corumbá, e uma termelétrica, que está há quatro anos em fase de implantação.

Apesar dos riscos que representam tais indústrias, ainda não foram apresentados pelo governo os impactos sociais, ambientais e econômicos que podem gerar esses investimentos. Até o momento o governo só apresentou o lucro, a geração de empregos, que é questionável, e o progresso para o Estado.

Outros empreendimentos que já estão instalados em Corumbá, como as mineradoras, também devem ser monitorados pois apresentam grandes riscos de contaminação e alto indíce de impactos ambientais