Menu
Receba novidades no seu email

Da série “Oásis urbano”: jardins de mel e uma primavera à favor das abelhas

Com a chegada da primavera, espaços para conservação das abelhas serão implantados em parques. A proposta é também promover a polinização na cidade.

bee-ciclovivo-curitiba1
Publicado em 23 de agosto de 2017 às 15:30 Compartilhar:
A bela mandaçaia pantaneira em flor de erva de touro. (Foto: Marcos Wolf)

A bela mandaçaia pantaneira em flor de erva de touro. (Foto: Marcos Wolf)

Sabemos que o declínio de polinizadores e, principalmente, de abelhas é um dos problemas mais graves enfrentados atualmente pela humanidade. O chamado Colapso das Colmeias coloca algumas espécies sob o risco de extinção. Isto porque seus espaços são devorados pelos agentes químicos, desmatamento e queimadas. A polinização é de extrema importância para a sobrevivência do ser humano, pois o cultivo agrícola é dependente deste papel ecossistêmico desempenhado pelas abelhas.

Com o desaparecimento das polinizadoras, os impactos também são negativos na economia, porque o mel contribui para geração de renda de milhares de famílias. A região Sul do país é a principal produtora de mel e já declarou que o problema de mortandade das abelhas está generalizado.

Pesquisadores e também os amantes das abelhas buscam alternativas para sua sobrevivência, seja no campo, ou nas cidades. Em Curitiba, por exemplo, surgiu a ideia de implantar Jardins de Mel, que serão, a partir de setembro, locais com caixas de colmeias e mudas de plantas melíferas, para estimular a presença dos insetos. O projeto tem o objetivo de oferecer maior polinização para a cidade, no Paraná. Além disso, tem o intuito de promover a educação ambiental sobre os benefícios proporcionados pelas abelhas.

Os locais escolhidos para implantação dos jardins são os principais parques de Curitiba: Jardim das Sensações, no Jardim Botânico e o Bosque Reinhard Maack, no bairro Hauer. O projeto é viabilizado em parceria pelas secretarias municipais do Meio Ambiente e da Educação, a Fundação Cultural de Curitiba e o Instituto Municipal de Administração Pública (Imap) e chega junto a primavera – estação escolhida para dar início a inauguração dos Jardins de Mel.

A proposta remete também a ideia do “oásis urbano“, uma prática já adotada em cidades americanas e do Reino Unido. Estes são espaços nas cidades, como os terraços, com colmeias para promover a polinização. Há algum tempo, a Ecoa criou a proposta de aplicar oásis ao Pantanal, ou seja, oferecer espaços nas regiões mais selvagens – onde não se utilizam agrotóxicos e onde o desmatamento e queimada são menos intensos – para conservação de polinizadores. Neste contexto, além de preservar as espécies, comunidades tradicionais do Pantanal, principalmente as ribeirinhas, podem ter uma alternativa rentável com a produção e venda do mel.

 

Por: Iasmim Amiden (Ecoa – Ecologia e Ação)

 

Compartilhar: