Menu

Pantanal: 10 fatos que você precisa saber sobre as casas construídas com/para ribeirinhos

Moradias com material reciclado e à prova de fogo, sistema para captação de água, tratamento de esgoto, proteção contra mosquitos e elevação em palafitas para fazer frente aos eventos climáticos extremos

foto_iasmimamiden-28
Publicado em 1 de junho de 2017 às 14:10 Compartilhar:

- São moradias montadas com paredes de placas de material reciclado e sistemas que protegem principalmente as crianças.

- O projeto demandou pesquisas cuidadosas, particularmente com relação aos materiais e também a condições de montagem e desmontagem. Os sistemas são apropriados para áreas inundáveis.

- Quatro foram montadas na região da Serra do Amolar, na comunidade conhecida como Barra do São Lourenço, localizada a montante de Corumbá, MS, a sede do município, sendo somente alcançada de barco (freteiras), em uma viagem de 30 horas.

 

1. As pesquisas e o desenvolvimento do projeto tomaram mais de 2 anos. Esteve à frente do trabalho uma equipe de jovens arquitetos sob a coordenação de Juliano Thomé e Bruno Pasello, à época recém chegados de sua graduação na França. A coordenação geral foi do diretor presidente da Ecoa, André Siqueira.

fotoiasmimamiden-22

Juliano Thomé e Bruno Pasello após construção do projeto piloto (Foto: Iasmim Amiden)

1

André Siqueira, diretor presidente da Ecoa, foi o coordenador geral do projeto (Foto: Juliano Thomé)

 

2. Um projeto piloto foi desenvolvido para a Associação de Mulheres do Porto da Manga, localidade também às margens do rio Paraguai, mas a jusante de Corumbá. A execução desse projeto piloto levou a modificações importantes na concepção as quais foram aplicadas na Barra do São Lourenço.

Projeto piloto construído no Porto da Manga, Corumbá (Foto: Bruno Pasello)

Projeto piloto construído para a Associação de Mulheres do Porto da Manga (Foto: Iasmim Amiden)

Projeto piloto construído para a Associação de Mulheres do Porto da Manga (Foto: Iasmim Amiden)

 

 

 

 

 

 

 

3. A estrutura conta com sistema para captação de água de chuva, essencial para os períodos em que o rio Paraguai ‘apodrece’ – no fenômeno conhecido como decoada -, quando se torna impossível o seu uso. Tem também banheiros e sistemas individuais de tratamento de esgoto.

Telhado inclinado para captação de água da chuva (Foto: Iasmim Amiden)

Telhado inclinado para captação de água da chuva (Foto: Iasmim Amiden)

foto_casas_álvaro-13

Sistema para tratamento de esgoto em moradia adaptada (Foto: Álvaro Junior)

 

 

 

 

 

 

4. O tempo gasto para montagem completa de cada unidade é de 8 dias. As placas modulares e a fixação com parafusos permitem o trabalho no ambiente, sendo o processo facilmente apreendido e executado pelos moradores.

foto_casas_andre-17

Toda a casa é feita por fixação em parafusos (Foto: André Siqueira)

Placas modulares de material reciclado (Foto: André Siqueira)

Placas modulares de material reciclado e à prova de foto (Foto: André Siqueira)

 

 

 

 

 

 

5. A casa, construída em sistema de palafitas para proteção frente a ataques de animais e cheias como a deste ano (2017), pode ser desmontada e transferida de local sem danos aos materiais. Essa característica é fundamental devido às alterações ambientais que levam os ribeirinhos a mudarem o local de moradia.

Elevação em palafita para fazer frente as cheias (Foto: Iasmim Amiden)

Elevação em palafita para fazer frente as cheias (Foto: Iasmim Amiden)

O sistema de palafitas oferecem segurança aos moradores (Foto: Iasmim Amiden)

O sistema de palafitas oferece segurança aos moradores (Foto: Iasmim Amiden)

 

 

 

 

 

 

6. As paredes, piso e telhado são de material reciclado e à prova de fogo, água e cupins. Sendo reflexivo, ele protege contra as altas temperaturas comuns na região, trazendo conforto térmico.

Material reflexivo permite maior conforto térmico (Foto: Iasmim Amiden)

Material reflexivo permite maior conforto térmico (Foto: Iasmim Amiden)

Material é resistente ao fogo, água e cupins (Foto: André Siqueira)

Material é resistente ao fogo, água e cupins (Foto: André Siqueira)

 

 

 

 

 

 

7. Nas janelas, portas e em todas as aberturas telas de nylon protegem contra a ‘mosquitaria’, comum em boa parte do ano. O ganho maior é das crianças com a diminuição de problemas de pele e pulmonares, estes devido ao uso da fumaça intensa para espantar os mosquitos.

Telas de nylon protegem contra os mosquitos (Foto: Iasmim Amiden)

Telas de nylon protegem contra os mosquitos (Foto: Iasmim Amiden)

Telas em todas as aberturas da casa (Foto: André Siqueira)

 

 

 

 

 

 

8. O projeto e a execução têm por base demandas da Associação de Moradores da Barra do São Lourenço. A proposta surgiu a partir do projeto Mapeamento de eventos climáticos extremos no Pantanal, análise de seus efeitos sobre populações vulneráveis, capacitação local e elaboração de propostas mitigatórias, que identificou os danos causados pela excepcional e repentina cheia em 2011, ano em que muitas famílias perderam parte de seus bens.

Proposta surgiu de demanda da Associação de Moradores (Foto: Ieda Bortolotto)

Proposta surgiu de demanda da Associação de Moradores (Foto: Ieda Bortolotto)

Moradores pediram por casas adequadas à região (Foto: Iasmim Amiden)

Moradores pediram por casas adequadas à região (Foto: Iasmim Amiden)

 

 

 

 

 

 

 

9. O projeto contou com o apoio de várias instituições, tanto para sua elaboração quanto para execução, dentre elas o Ministério Público do Trabalho (MPT), Ministério Público Federal (MPF), Receita Federal, Secretaria do Patrimônio da União, ligada ao Ministério do Planejamento, o Departamento de Geografia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – Câmpus Pantanal (UFMS/CPAN) e a Marinha do Brasil.

Procuradora Maria Olívia (MPF) com Joana, moradora da nova casa adaptada (Foto: Iasmim Amiden)

Procuradora Maria Olívia Junqueira (MPF) com Joana, em nova casa adaptada (Foto: Iasmim Amiden)

Parceiros do SPU em visita às casas (Foto: Iasmim Amiden)

Parceiros do SPU em visita às casas na comunidade da Barra do São Lourenço (Foto: Iasmim Amiden)

 

 

 

 

 

 

 

10. Para a viabilização das moradias, outras medidas foram necessárias, dentre elas:

- A emissão de Termo de Autorização de Uso Sustentável (TAUS) para as famílias da comunidade.
- Reconhecimento e identificação territorial através de trabalho da UFMS e ECOA.

Trabalho contou com  viabilização do TAUS para moradores (Foto: Iasmim Amiden)

Trabalho contou com viabilização do TAUS para moradores (Foto: Iasmim Amiden)

Ecoa e UFMS trabalharam juntas no processo de  reconhecimento e identificação territorial (Foto: Ieda Bortolotto)

Ecoa e UFMS trabalharam juntas no processo de reconhecimento e identificação territorial (Foto: Ieda Bortolotto)

Compartilhar: