Menu
Receba novidades no seu email

Povos originários e suas percepções sobre Mudanças Climáticas e Justiça Social

Estiveram presentes no evento representantes dos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Distrito Federal além de lideranças indígenas e assentados rurais.

cartaz_nota_Semi_MS
Publicado em 17 de agosto de 2016 às 15:09 Compartilhar:

 

Seminário de mudanças climáticas

 

Entre os dias 09 e 12 de agosto de 2016, em Campo Grande – MS, ocorreu o Seminário Regional Centro Oeste sobre Mudanças Climáticas e Justiça Social, onde estiveram presentes aproximadamente 50 pessoas representando os estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás além do Distrito Federal. Devemos destacar a presença de representantes das etnias Guarani Kaowiá, Kinikinawa, Terena, Manoki estiveram presentes, assim como Quilombolas e assentados rurais.

A ECOA foi convidada a participar trazendo toda a bagagem dos seus 27 anos de trabalhos com comunidades pantaneiras. Vanessa Spacki, consultora do projeto “Prevenção, Mitigação e Adaptação para comunidades pantaneiras frente aos eventos climáticos extremos”, participou do encontro trazendo informações sobre a realidade identificada junto as comunidades pantaneiras.

Durante estes 3 dias de discussões vários pontos puderam ser destacados, em especial que todos grupos representados constataram grandes alterações ambientais em suas respectivas regiões e que os impactos são reais estão por toda parte. Relatos demonstram desde a elevação das temperaturas e a diminuição das chuvas, com impacto direto nos cultivos em pequena escala que afetam diretamente os grupos mais vulneráveis. Além disso, também destacaram as influencias antrópicas, atenção para o desmatamento (vinculado ao agronegócio) e às represas de pequenas e grandes centrais hidrelétricas.

WhatsApp Image 2016-08-11 at 10.35.13

 

WhatsApp Image 2016-08-10 at 09.03.10

 

Propostas apontadas pelos grupos participantes do Seminário incluem: acabar com o desmatamento ilegal e promover a restauração florestal; garantia de acesso à terra aos povos originários; promover Sistemas Agroflorestais; valorizar o conhecimento tradicional; investir em novas frentes energéticas, e, mitigar o impacto já sentido pelas comunidades atingidas pelas represas (PCHs e UHEs); entre outras.

Próximo passo: organização do “Encontro Nacional sobre Mudanças Climáticas e Justiça Social” que ocorrerá entre os dias 25 e 28 de outubro em Brasília.

Acesse os dados que foram apresentados no seminário.

 

Atividades do Seminário,

Atividades do Seminário,

Compartilhar: