Menu
Receba novidades no seu email

Conservação e uso sustentável da Bacia do Prata é tema de encontro no Paraguai

Encontro reúne organizações da América do Sul de 19 a 23 de outubro em Asunción no Paraguai

bacia-do-prata
Publicado em 14 de outubro de 2015 às 20:30 Compartilhar:

sistema-parana-paraguai-ramsar-bacia-do-prataA Bacia do Prata, uma das principais zonas produtoras de alimento do mundo, figura no ranking entre as três bacias hidrográficas mais ameaçadas do mundo segundo dados da WWF.

Com seus quase 3.200.000 Km² de extensão é uma das maiores reservas de água doce do planeta e seus recursos possibilitam 70% do PIB do Paraguai, Argentina, Bolívia, Brasil e Uruguai.

Recursos ameaçados pela falta de planejamento, expansão da fronteira agrícola, construção de represas, hidrovias e outras grandes obras de infraestrutura, que tem contribuído anos após ano com a deterioração da cobertura vegetal e a consequente erosão e sedimentação de áreas úmidas como o Pantanal.

Soma-se a isso as mudanças climáticas que já alteram os pulsos naturais dessas áreas e agravam os efeitos de inundações e secas impulsionando ainda mais desigualdades e injustiças sociais nessas regiões.

Em busca de novas estratégias para promover a conservação e o uso sustentável da Bacia do Prata, a Iniciativa Regional Ramsar de los Humedales Fluviales de la Cuenca del Plata, composta por organizações não governamentais e intergovernamentais da América do Sul, entre elas a Ecoa, reúnem-se em Asunción, Paraguai, entre os dias 19 e 23 de outubro para a “VI Reunión de la Iniciativa Regional de los Humedales Fluviales de la Cuenca del Plata”.

Durante o encontro serão discutidos progressos na implementação de estratégias financeiras, comunicação e divulgação, discussão sobre o atual estado das zonas úmidas da Bacia do Prata, posição da região sobre as novas iniciativas regionais de orientação operacional, as necessidades de formação e oportunidades para os países membros da Iniciativa e efetiva participação das organizações intergovernamentais e ONGs.

Fonte: Luana Campos – Ecoa

Compartilhar: