Menu
Receba novidades no seu email

Ecoa no Pantanal

No Pantanal e na Alta Bacia do Rio Paraguai as pessoas que, de alguma maneira, participam da Ecoa, fazem pesquisas; desenvolvem projetos; monitoram os grandes problemas; fazem campanhas e atuam junto a várias comunidades tradicionais.

Também cuidam de articular a sociedade civil para que as ações comuns em defesa da região e suas populações tenham maior força e repercussão.

Audiência pública com a comunidade da Barra do rio São Lourenço (2015).

Audiência pública com a comunidade da Barra do rio São Lourenço (2015).

Barcos

Para o trabalho de campo a Ecoa conta com uma lancha rápida, estacionada em Corumbá (MS), e um barco em Porto Murtinho, no sul do Pantanal, na fronteira com o Paraguai.

A lancha atende pesquisadores de diferentes áreas e às vezes membros de instituições públicas que trabalham em parceria com a Ecoa. Em setembro de 2015, por exemplo, pesquisadores da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e da Universidade de Kentucky-UK (EUA) que desenvolvem estudos sobre as mudanças ambientais e a evolução dos lagos da Serra do Amolar utilizaram a embarcação para deslocarem-se até a região.

barcos-suporte-ecoa-pesquisas

Bases físicas

A Ecoa possui no Pantanal duas bases físicas para suporte a pesquisas e atendimento a comunidades. Uma delas é um trailer estacionado nas margens do rio Paraguai, na comunidade da Porto da Manga, a jusante de Corumbá. A outra é uma base de 120 m2 , de alvenaria, no Porto Amolar, no pé da serra do mesmo nome.

Por ela, já passaram inúmeras equipes de pesquisadores e instituições que desenvolvem trabalho de apoio à conservação da região e das comunidades locais.

sede-ecoa-paraguai-mirim

Base de apoio a comunidades e suporte para pesquisas. Núcleo Ecoa – Vila Amolar.

Áreas protegidas

A Ecoa tem duas áreas na Serra do Amolar. A primeira delas, de 91 hectares, está localizada na entrada da baia do Taquaral, logo abaixo da Vila Amolar. A outra, de 400 hectares, é acima da Vila, na encosta da Serra – combina florestas com área alagável. A aquisição, na década passada, teve como objetivo antecipar a possíveis destinações como hotéis e outros fins.

areas-ecoa-pantanal-mapa

Pesquisas

A Ecoa mantém convênio com a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) e também trabalha com outras instituições desenvolvendo pesquisas ou dando suporte a elas, principalmente no Pantanal. Essa ‘marca’ da instituição é estratégica para a defesa da região a partir da geração de conhecimentos.

Além da pesquisa a organização tem como tradição dar suporte para o desenvolvimento de mestrados e doutorados de diferentes instituições de ensino, inclusive internacionais.

O pesquisador Paulo Robson, da Universidade Federal de MS e membro do Conselho da Ecoa, fotografa flores da Vitória Régia logo nos primeiros raios de sol. Foto da década de 90,  na Baía Negra, próximo a Ladário, MS.

O pesquisador Paulo Robson, da Universidade Federal de MS e membro do Conselho da Ecoa, fotografa flores da Vitória Régia logo nos primeiros raios de sol. Foto da década de 90, na Baía Negra, próximo a Ladário, MS.

Algumas das pesquisas:

- Coleta de iscas vivas no Pantanal: Bases para a sustentabilidade (2000) – UFMS e Ecoa

- Campanha Turismo Sustentável – Preço Justo da Isca no Pantanal (2011) – ECOA, MPF e Embrapa Pantanal

- Avaliação da qualidade de água para manutenção de tuviras na unidade experimental do Porto da Manga – Embrapa Pantanal, UFMS e Ecoa

- Mudanças Climáticas: uma descoberta no Pantanal – Ecoa

Plano de prevenção, mitigação e adaptação aos impactos de eventos climáticos extremos no Pantanal – Ecoa

- Biocombustíveis: a cana de açúcar na bacia hidrográfica do rio Paraná – Ecoa

- Sabores do Cerrado & Pantanal – UFMS, Ceppec e Ecoa

- Pantanal e Cerrado de A a Z – UFMS, Ceppec e Ecoa

- Turismo de Bases Comunitárias (2013)

- Bocaiuva: Técnicas e dicas de aproveitamento (2012)

Caderno do Aluno – Pantanal: mundo das águas

- Construção participativa de estratégia para a sustentabilidade ambiental, sociocultural e econômica das famílias ribeirinhas de pescadores de iscas no Pantanal de Mato Grosso do Sul (Projeto Tuvira), 2013 – Embrapa Pantanal, ECOA e ICMBio

- Descrição do comércio de iscas vivas no Pantanal de Mato Grosso do Sul em 2007 -2009 - Josineidy Miriã Vigabriel da Silva (UFMS)

- Diretrizes para o manejo sustentável da atividade de coleta de de iscas vivas (2003) – Álvaro Banduci Junior – UFMS / Ecoa

Teses e dissertações desenvolvidas em áreas que a Ecoa trabalha:

Comunidade ribeirinha Barra de São Lourenço: um estudo heurístico sobre desenvolvimento local como projeto endógeno e comunitário – Silvia Santana (Ecoa)

Mapeamento de Eventos Naturais Extremos e seus impactos sobre Comunidades Pantaneiras – Vanessa Spacki (Ecoa)

Conflitos Socioambientais em Comunidades Tradicionais da Fronteira Brasil-Bolívia e a experiência de implantação do turismo de base sustentável como alternativa de renda na Comunidade da Barra do São Lourenço – André Siqueira (Ecoa)

- Entre Barras e Barrancas: Elementos da Ecologia dos ribeirinhos da comunidade Barra do São Lourenço – MS – Alisson Pereira (Ecoa)

Escolhas Sustentáveis – Quatro Temas Importantes (Biodiversidade, Uso da Terra, Água e Aquecimento Global) – Rafael Chiaravalloti (ECOA)

- Educação Ambiental e a Atuação das ONGs: uma Análise das Ações da Ecoa em Mato Grosso do Sul – Maria Riveliza da Silva 

- Diagnóstico da atividade de Captura de iscas vivas no Pantanal e propostas para melhoria de manutenção em cativeiro- 2006 - Marcelo Soares de Oliveira, orientado pela Msc Rosana Aparecida Cândido Pereira – Embrapa / Ecoa / UFMS / UCDB / Ibama

- Técnicas para conservação e aumento da taxa de sobrevivência do caranguejo de água doce (Dilocarcinus pagei) no Pantanal Sul- Mato-grossense (2003) – Ortega e outros – UFMS / Embrapa.

- A capacitação construtiva local e o estímulo ao uso do cumbaru (Dipterix alata vog) no Assentamento Andalucia, em Nioaque MS - Rosemarly Fernandes Mendes Candil